quarta-feira, 29 de março de 2017

Compreender



suspensas
as coisas que me são caras

Interpreto as tentativas do abismo
de não ser realidade
como um espelho que deseja refletir
Há tanto no mundo
e as ânsias dentro de mim
não cabem em lugar algum
Quanta sede dissolvida em palavras
um instante no qual sinto-me inteira a vasculhar minhas misérias e o contentamento do silêncio sendo porta para a fala

4 comentários:

  1. Essas ânsias não cabem em dois universos somados, e cabem num coração. Mas o jogo de silêncio ou fala é o que nos mata. Lindo, querida, bjus. Boa semana

    ResponderExcluir
  2. O coração é infinito, nele cabe um abismo sem fim. E ele (o coração) cabe dentro de ti, como é possível? Um universo tão vasto em um ser tão pequeno como somos? Mas acredite, somente em nós há lugar para tanto sentir, tanto dizer, tanto infinito por guardar.
    Lindo o que escreveste!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Como diria Drummond, nosso coração é tão pequeno que às vezes não comporta nem mesmo nossas dores. Há muita controvérsia sobre isso, até porque a gente não sabe até onde vai nossa alma. O que resta é desentulhar o que temos colocando pra fora aquilo de que já não precisamos.

    Belíssimo escrito.

    ResponderExcluir