terça-feira, 28 de novembro de 2017

Branco tentador e amável

O papel
Um punhado de branco quer a loucura
Indiscreto
Âncora com asas e relógio
Minhas mãos mentem
para ser eu palavra liberta e calma
Ou então me atira ao pesadelo dourado de quase me reconhecer
Atalho, prisão
Vazio pleno, emoldurando ilusão entediada por excessos
Os meus gestos são incessantes perguntas silenciosas
Escrevendo o que não posso tocar
Me dirás branco tentador e amável, o que lhe entregar ?
O mundo
o pingo d'água da torneira junto ao relógio a cantarolarem sonhos que não dormem ?
A saudade?
Sempre ela
que corre por dentro, ninguém a alcança , se a ela não se entregar
Sei, é constante estampar em ti todo lamento,

não lhe dou a doçura que sinto em minha boca quando em teu branco de imenso desejo , venho me deixar

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Lugar

dentro
em mim
o silêncio
o respirar
dos pensamentos
                                                         *

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

de tuas horas

O que queres ?
rosas que contigo pulsam no caminho ?
Desistiu teus olhos
Tua vazia multidão cansou
Lembras de ti com gosto de campo
Seus poros diziam da aurora
O que queres ?
Não sabes
Foi ternura outrora
Quando todas as estações eram leves e esperançosas
Girassol aliado de tuas horas
Tuas pernas rosadas
a paz te deixava esquecida sob o sol
Estás a tua espera
Falo a mim...
.  
      . Sou eu no espelho
O que queres ?
arte de Natalie Foss

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Conservar o motivo

Desperdiço a alma
Pela porta a luz quer um pouco dela
Adoçar o café, olhar as rosas
Nos pés conservar o motivo
Estranhamente o rosto seguinte me olha, busca tua alma
As janelas do outro ?
Faz lembrar a minha

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Bater asas

pensamentos  
    sendo flor sob a manhã
.
Frustrar as dores
  ao olhar as cores que falam
Entorpecer minhas mãos de sentido
  recitar toda a  saudade que se apoia no tempo
       bater asas para fora de mim...