sábado, 9 de setembro de 2017

Cheiro de sol

Vi teus olhos murmurarem :
-Tão longas são as dores...
Estavam estranhamente brilhantes e distantes
Entreguei-lhe silêncio
O melhor em mim,
o silêncio
Não poderia distrair sua voz cansada a murmurar
Estava além de tristeza ou ausência os teus olhos
Perguntavam inquietos, disfarçados sob uma saudade de encontro de si, dos arredores de tudo
Pedras deslocadas a se esculpirem  debaixo das águas do tempo, da calma, do entardecer de insistente beleza, que mesmo em dias frios deixa por dentro um cheiro de sol.

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Bater asas

pensamentos  
    sendo flor sob a manhã
.
Frustrar as dores
  ao olhar as cores que falam
Entorpecer minhas mãos de sentido
  recitar toda a  saudade que se apoia no tempo
       bater asas para fora de mim...

domingo, 28 de maio de 2017

Antes do barulho do relógio

E tudo é ilusão ?

e essa "verdade" faz doer-me os sentidos
o nada que despenca na solidão
é igual desatino

amedronta-me visitar-me o passado
e o presente ?
é todo esse medo e euforia
um pouco de paz e pela tarde melancolia

só para o espelho resseco essas palavras que aqui agora escrevo

Têm aparência de saudade vestida de um sol interrompido por um dia branco e algum desejo

domingo, 9 de abril de 2017

espelho do dia

Aconchego-me nos varais
enquanto pousam os pássaros
a ignorarem meu corpo parado e triste
Previram meu passado
e a dramática maneira minha
de viver
É recém chegada a lucidez por debaixo deste sol
ela revela minha loucura através do espelho do dia, pois nada pode ser escondido do tempo
pede-nos alma
e os rastros
que deixamos na passagem
são demasiadas palavras frias
Mesmo a inércia trai-me,
ao deixar um buraco profundo
por eu não caminhar

quarta-feira, 29 de março de 2017

Compreender



suspensas
as coisas que me são caras

Interpreto as tentativas do abismo
de não ser realidade
como um espelho que deseja refletir
Há tanto no mundo
e as ânsias dentro de mim
não cabem em lugar algum
Quanta sede dissolvida em palavras
um instante no qual sinto-me inteira a vasculhar minhas misérias e o contentamento do silêncio sendo porta para a fala