segunda-feira, 15 de abril de 2013

Havia beleza

 
E é bem vindo o nascer do sol,
depois do adeus que dei as lágrimas.
Havia beleza, enquanto lavavam minha alma,
que passa a barreira de ser sensível.
Eram belas, pois limpavam-me do que havia de ruim,
e com os olhos mais limpos pelo banho tomado,
destacava o que não mais via de bom.
O consolo verdadeiro de se repor.
Reencontrei a vontade de amar
perdida nos amontoados de enganos conscientes.
Me vi ingrata nesse momento,
ao desprezo que entreguei ao amor,
que por ser paciente estava à minha espera
e nada cobrava.
Sabia de cada passo que dei contrário à Ele,
mais estava o tempo todo em meus caminhos,
me espanta como fiquei cega com a poeira cinza da negação.
Não vou lamentar, estou inteira,
por esse encontro que aguardava sem saber.

Milene Cristina

2 comentários:

  1. O poder purificador da auga, as bágoas que poden purgar todos os pecados e as penas do noso corazón... o renacer dun sentimento. O perdón e (máis importante) perdoarse a si mesmo. Coma o nacer limpo do sol, tan dourado e brillante coma o novo futuro. Tras unha longa noite de pranto, dor e escuridade...

    Con isto comeza a miña noite, porque vou durmir... pero espero que sexa unha boa noite, con soños fermosos, coma este poema =)

    ResponderExcluir