sábado, 13 de abril de 2013

Fogo

Do fogo que consome meu frio, retiro a fascinação

No fundo a voz. Não mecha com isso menina
vai queimar sua mão
Melhor seria, que o arder fosse apenas em carne
Logo passa
Queimei os profundos sentimentos que guardava,
proteção sem valia
Que de tão fria, se agasalhou em quentes braços de palavras de faces brandas,
que descançava em varandas de verão.
Abrasou em exagero,
da porta aberta do lar antes inatingível.
Apenas chão.


Milene Cristina

2 comentários:

  1. Desta vez coido que o meu espírito si que non é capaz de comprender, e iso apéname. Teño a cabeza dividida entre dúas sensacións moi diferentes. Entre o lume do inferno e entre as brasas da paixón.

    ResponderExcluir
  2. P.S. Sinto non poder dicir moito máis n_nU

    ResponderExcluir