sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Palavras do chão

Sob constelações apagadas
O trem para na estação
Inventando um inverno
Vou
Inventando ser sério o começo desse fim
Estou  encharcada de um perfume de partida
Sonhando ser minha estrada
A coragem e o contentamento
Brotam palavras do chão
Seco
Becos, esquinas
Mentiras matando a fome das verdades doídas
Dizer-te
Seria amar-te
Mas não sei ser
Amor.

6 comentários:

  1. O comezo (as constelacións apagadas e o tren) recórdame a unha película que comecei a ver unha vez...

    "Dizer-te Seria amar-te Mas não sei ser Amor. "... encantáronme estes versos.

    ResponderExcluir
  2. Teus versos são por ti!
    Lindo demais, Milene!

    Beijoo'o
    flores-na-cabeca.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Metáforas da vida, esse caminho incerto que recomeça a cada manhã. Essa aposta, esses jogo de dados. Essa certeza da partida, incerteza da chegada. As vezes é preciso criar atalhos, fugas, idas por caminhos não combinados, enfim, é nossa vida.

    ResponderExcluir
  4. O dizer às vezes materializa. E tanta vezes não sabemos ser, dizer e amar.

    Bjos

    ResponderExcluir
  5. Um prazer imenso conhecer sua página e seus poemas. Acredite, você acaba de ganhar um visitante recorrente. Até.

    ResponderExcluir