quinta-feira, 25 de abril de 2013

Habitar


Me acolha, recolhendo os abraços das manhãs,
me exponha nesses tantos vazios nossos,
observe meus olhos baixos por pensamentos nas alturas,
doe seus passos passeando em minha dor.
Abri-me em coração sem censura,
me tomando em ternura, fazendo louca a sensatez.
Ouça-me falar do mar, onde havia o céu de dois.
Me cale agora, descansando no que hoje fiz meu habitar.

Milene Cristina

                                                                         

5 comentários:

  1. Boa tarde, Milene. Mais um lindo poema seu em forma de suavidade e sentimento!
    Nada como a liberdade do amor!

    Estou participando do PRIMEIRO CONCURSO DE POESIA DO BLOG "BICHO DO MATO" com o poema "DAMA MALDITA!"
    Para votar no poema, clique no círculo que está à direita do blog ao lado do nome do poema!
    Para comentar, clique no link do poema e deixe seu comentário!
    Conto com sua participação!

    http://blogdobichodomato.blogspot.com.br/2013/04/dama-maldita.html

    Beijos na alma e obrigada!

    ResponderExcluir
  2. que gracinha o teu texto... parece um poema em prosa!

    ResponderExcluir
  3. Tan lindo coma as cerdeiras en flor e as zapatillas rosas =)

    ResponderExcluir