sábado, 16 de fevereiro de 2013

Não sei

 

(...) Cala pra fora o que por dentro grita.
Evita, se esquiva de seu olhar
Queria amar, ainda quer amor
 E o olor de estar em dois
Gosta de abraço, e quem se queixa de carinho?
Quer vida, quer luz, quer sentido
Só aprendeu à se dar, não sabe receber
Se espanta
E segue com um mantra
Não sei corresponder.

Milene Cristina

5 comentários:

  1. O amor devoto, perene
    Que nasce no coração
    Não morre em desilusão
    Ainda que em dor pene
    Faz do seu querer solene
    Promessas de um amanhã
    Espera toda manhã
    Pra ver o sol aquecido
    E se sentir protegido
    Com um chá de hortelã.

    Pedro Torres

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você traduziu meu jeito de amar na frase: "Ainda que em dor pene, faz do seu querer solene, promessas de um amanhã." Lindo!!! Beijo :)

      Excluir
  2. As vezes dança lenta, as vezes agitada.´Bom mesmo é quando os passos estão na mesma cadência.Beijo Rebeca!!!

    ResponderExcluir