domingo, 16 de março de 2014

Num minuto


Já não basta o silêncio, atravessei as fronteiras de um cinza lento. Pulsou um sussurro discreto, dentro dele um grito, um mistério esperado das ruas aqui escondidas. Escrevo agora com meu corpo, está todo em minhas mãos. Num minuto vejo completa minha alma, apenas um minuto onde não existi fim para a paz. Feito sede que se matou, um amor que se tomou. Há calor e frio, mas nenhum incomodo, todas minhas linhas, formas e expressões cabem. Num minuto moldada , eu despida e vestida de  mim.
 
 
Milene Cristina

Um comentário:

  1. Milene,
    Adorei este texto! Há uma pureza pungente no sentir aqui dito.
    Muitos parabéns!

    ResponderExcluir