terça-feira, 26 de março de 2013

Esperança


Me reinventar no que me é comum, aproveitando minhas faces que não se envergonham de serem minhas, fazer o secar, do que já se é seco, até levantar a poeira do adeus que liberta, cortando as arestas do desespero, do  auto-abandono. O multiplicar da esperança. Do seu verde ,várias nuances dessa força que é a última à morrer.
 
Milene Cristina

Nenhum comentário:

Postar um comentário