domingo, 17 de março de 2013

Do que pensava ser



Cheia de atos exigentes, vai até o fim mesmo em meio à dor, e errada segue atropelando seu coração inconstante, martelando as palavras sem sentido que desperdiça quando sem razão. Vai, se entristesse, esconde a tristeza  e desconhecida da alegria, a aluga por um dia exercendo talvez até seu lado bom, vê que o  mais árduo é aquela que foi antes do tal aluguel. Percebe o quanto é pequeno ficar só olhando pra si, descobre um mundo de pessoas sem exageros  na alma. Alí se encontra, chora em prantos de alívio, uma alternativa para o sofrer, é apresentada ao recomeço, e se desfaz do que pensava ser.

Milene Cristina

Um comentário: