sábado, 9 de setembro de 2017

Cheiro de sol

Vi teus olhos murmurarem :
-Tão longas são as dores...
Estavam estranhamente brilhantes e distantes
Entreguei-lhe silêncio
O melhor em mim,
o silêncio
Não poderia distrair sua voz cansada a murmurar
Estava além de tristeza ou ausência os teus olhos
Perguntavam inquietos, disfarçados sob uma saudade de encontro de si, dos arredores de tudo
Pedras deslocadas a se esculpirem  debaixo das águas do tempo, da calma, do entardecer de insistente beleza, que mesmo em dias frios deixa por dentro um cheiro de sol.

2 comentários:

  1. "Você pega o trem azul, o Sol na cabeça
    O Sol pega o trem azul, você na cabeça
    Um sol na cabeça..."

    A tua poesia tem um 'quê' de manhã de sol. Venho aqui e saio cheio de luz.

    Obrigado pela visita ao meu cantinho.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora eu digo : Que lindo. Obrigada pela alegria deixada aqui.

      Um beijo

      Excluir