terça-feira, 25 de março de 2014

Pulsar


Colha
à escrever-te sobre as telas
amarelas
azuis
banhando-se no vestir da primavera
que lhe escreve flores da manhã

sãs essas tuas palavras de loucura
rasgando tua pintura
Funda e escura
a caber em teu olhar
Que é trilho de romances
e dor

alcance devagar
o que divaga tua mudez
este sangrar de poeiras
e passado. 

Milene Cristina

sexta-feira, 21 de março de 2014

Laço


Fumaça e conversa
Tu não rotulava meus olhos
apenas encostou os seus
Desafiava a timidez
que incontrolável prendia-te
Não havia nome ou melodia
naquele tempo infinito de nós
Havia sim um ciúme ouvinte
à um laço recente e eterno.


Milene Cristina

quarta-feira, 19 de março de 2014

Paredes



Paredes brancas
sufocam o próximo respiro
.
.

São minhas as palavras simples
e as frases que recitam silêncio
enquanto esfria o café.

Não adoço nenhuma lembrança
Não há açúcar no vazio
Tampouco o amor.


Milene Cristina

terça-feira, 18 de março de 2014

Do que é meu

 
Sou das saudades minuciosas
garimpando o que sinto
entregando às lágrimas beleza
para assim
não mais sentir
.
.
.
Milene Cristina

domingo, 16 de março de 2014

Num minuto


Já não basta o silêncio, atravessei as fronteiras de um cinza lento. Pulsou um sussurro discreto, dentro dele um grito, um mistério esperado das ruas aqui escondidas. Escrevo agora com meu corpo, está todo em minhas mãos. Num minuto vejo completa minha alma, apenas um minuto onde não existi fim para a paz. Feito sede que se matou, um amor que se tomou. Há calor e frio, mas nenhum incomodo, todas minhas linhas, formas e expressões cabem. Num minuto moldada , eu despida e vestida de  mim.
 
 
Milene Cristina