quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Saídas


Encontrar as respostas pra mim já tentei, marco encontros com meu destino, quase sempre chego atrasada. Lá parada no trânsito, com amores que me tiram o equilíbrio.
Sempre tentando difundir minha fé no amor, mudo o tom, me armo com a confiança;
Nessa dança louca de se entregar, se deixar em outro, ficar repleta de dúvidas e certezas
Replico, digo, completo, deixo vazios, faço transbordar. Se estou em janeiro, me sinto em setembro, enxergo flores por todos os lados. Há saídas em todo lugar.
 
Milene Cristina

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013


Delicada tarde , agradável chamar à vida
Vento constante me dando conselhos
Instantes suspiros, vontade de amar
Nuvens passando os apelos do tempo
Admiro tudo, até mesmo o silenciar dos movimentos
Tiro fotos congelando o que senti, vou relembrar
Estou sem estar, me envolvo na tarde
E volto pra mim.
 
Milene Cristina

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Eu sei, mas não devia


Eu sei que a gente se acostuma, mas não devia. A gente se acostuma à morar em apartamentos de fundos e ao não ter outra vista que não seja as janelas ao redor.
E por que não tem vista, logo se acostuma à olhar pra fora. E por que não olha pra fora logo se acostuma à não abrir de todo as cortinas. E por que não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E a medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.
 
Marina Colasanti

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Silêncio



Me calo, é nessa hora, no silêncio que me enxergo. Somem as dores e os cartazes que em vão erguia dizendo: Olha aqui sou eu! A mais confusa e romântica  desprendida de amores, contraditória e perfeccionista. Alívio!! Nessa pausa, consigo me pintar feliz. A simplicidade vem, se encosta em minhas costas, nós duas juntas silenciando tudo, sorrindo, conversando em pensamento sobre o tempo e como é bom estar alí.E uma voz lá no fundo, piscando em luz vermelha, realidade chamando. Recolhemos o anseio do não estar, voltando pra barulhenta vida.

Milene Cristina

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Juntos




Juntos nós contando as luzes, passos leves,
o contentamento do teu sorriso, o meu já natural ao teu lado.
O meu perfume que o vento leva, traz o seu pra te lembrar
Depois dos beijos...do olhar
Dos abraços de um dia bom em seu terminar
Não seria exagero dizer saudade
Ansiedade insisti em chamar
Pra passarmos  novamente um no outro
Passearmos pelas ruas alegres do nosso querer
Dizer bobagens, e se algo sério vier, que venha junto o entender
Seguindo amigos, amantes..amando.

Milene Cristina


sábado, 23 de fevereiro de 2013

Mais uma de saudade


Deixaste escrito saudade em meu peito,
E as palavras doces de um futuro pra nós
Sigo com sua imagem em meu pensamento,
 alento...sossego inquieto;
Vontade de estar, vontade que esteja
Hoje, promessas soltas vieram me visitar
Trazidas pelo vento, da força do que foi sentido
Vivido, da mistura que fizemos de nossas vidas
Confundiram-se,nos perdemos encontrando o amor.

Milene Cristina




sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Luz antiga

As palavras


As palavras são meu refúgio, a hora em que posso ser eu dizer realmente o que sou, o que quero.Talvez pra alguns pareça um modo solitário de se expressar, mais não..As palavras e o sentido delas me fazem sentir completa.É com as palavras que me esvazio de pensamentos ruins e bons, esvazio minha mente, e ao escrever posso olhar de cima meus desejos.. minhas vontades.É assim que me sinto calma e confiante.Mesmo quando não tenho vontade nenhuma de escrever, ainda sim escrevo.
Escrever faz meu coração se acalmar.
 
Milene Cristina

Transforme



Do encontro primeiro restam apenas o silêncio
Um fim de tarde no fim da primavera
Palavras curtas sem sentido algum
Olhar não mais profundo, querer não mais presente
Sorriso como de quem quer logo fechá-lo
Queria poder florir tudo outra vez
Mania de insistir, teimosia sem razão
Me apego ao tempo, amigo de todas as horas
Ele sim pode florir, fazer chover
Trazer o sol, ao mesmo tempo que passam nuvens
Me devolvendo as palavras, que por um tempo o silêncio levou
Tempo bom, fique, passe, transforme.

Milene Cristina

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Pequena reflexão de aniversário

 
Mais um ano de vida, nascendo de novo, mais um acreditar de Deus.
 Uma parada para reflexão;
Penso em mudar muitas coisas, colorir outras,
 apagar , mudar por dentro, encontrar, me perder;
Entender meus porquês, dar respostas ao tempo que ainda tenho,
 realizar, encontrar;
Seguir minha essência,
 dando essência ao que ainda posso ser.

Milene Cristina

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Reinventando cantigas de roda

 

Mãos dadas entrelaçados dedos,
entrelaçando vidas noite boa de se namorar .
Lembro-me bem dos mesmos dedos
nas cantigas de roda de quando menina,
vida mais leve, ingênua alegria ;
Pula corda, entra na roda fazendo sonhar.
Hoje pula medos, dá volta em saudade
entra e sai na roda do viver.
Não pega mais flores pra pôr no cabelo,
pois já não as vê por aí.
As cores mudaram,
os perfumes não são os mesmos.
Reinventando tenta seguir.

Milene Cristina

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Pouso

                        
Nobre amor tome seu lugar,
me invada, não me deixe à esperar
anseio à tanto o teu chegar,

Tentei por várias maneiras chamar tua atenção
Sinais mandei,
Calei, pra ver se chegava cheio de intenções
Falei, como se de tanto querer, vinhas ao menos me ver

Sorri, pois sei que és o primeiro sintoma de ti
Chorei, pra se compadecer de mim e vir me consolar

És sábio, fez-me tanto fazer pra mostrar
 que és chegado sem espera, sem perguntas,
 sem respostas, dia ou sol
És feito Rouxinol que canta encantando
Voando e sabendo onde irá pousar.


                                    Milene Cristina
 
Amar: Fechei os olhos para não te ver e a minha boca para não dizer...E dos meus olhos fechados desceram lágrimas que não enxuguei e da minha boca fechada nasceram sussurros e palavras mudas que te dediquei...O amor é quando agente mora um no outro
 

                                                           Mário Quintana

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Não sei

 

(...) Cala pra fora o que por dentro grita.
Evita, se esquiva de seu olhar
Queria amar, ainda quer amor
 E o olor de estar em dois
Gosta de abraço, e quem se queixa de carinho?
Quer vida, quer luz, quer sentido
Só aprendeu à se dar, não sabe receber
Se espanta
E segue com um mantra
Não sei corresponder.

Milene Cristina

Reflorescer

 

No alvorecer do meu pensar
Faço amável o amarrotar
 dos racunhos de minha vida

Me vejo serena
Em alguns momentos oscilo
Paro, respiro

Reconheço meu parentesco com o remoinho
Rejuvenesço a alegria dentro de mim
Indo pro recreio das palavras.

Milene Cristina

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Pensamentos Do agora



Ventando agora, a nuvem que passa. Pingos lá fora
Acalma o calor, devolve..retira
Janela aberta, daqui vejo árvores dançando..(delírio)
 e os pássaros à voar,
Mostrando como é leve e necessário o viver
Simples. E o que me faz complicar?
A vertigem do medo
Do não acerto, do certo que pra mim é o errado
A inocência do querer ser livre
Mais um delírio que tive
Me faço poema pra ser amor
Com ele nada posso temer.

Milene Cristina

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

(Re)Encontro

 
 
Me lanço no fundo de mim
E profundos são os que me compuseram
Encontrei os começos
Revisitei meus atalhos
Enxuguei minha lágrima de criança,
sorri com meu sorriso adolescente
Vi rostos já apagados pelo tempo
Quase não os reconheci
Fiz companhia quando me vi só
Olhei  pra céus de vários tons
Várias estações em um só minuto
Sou o que era, e muito mais diferente.

Milene Cristina


Ouve o girar


Vem me chame,
não grite, nem reclame
Entre em meu pensamento

Me tome
E que eu o toma bem devagar,
 à cantar sigo o seu cheiro
O mesmo que me veio quando do primeiro olhar

Cheiro do apaixonar, do sonhar sem nenhuma culpa
Amor me escuta, ouve o girar da minha vida depois de você
Exerce em mim seu melhor lado

Não fique calado por minhas palavras sinceras
Minha alma tem pressa de estar calma
O meu mundo quer se juntar ao seu.

Milene Cristina

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Devaneios III



Quero deitar em cama feita de algodão
Ouvindo a melodia da natureza,
vários cantos de pássaros
e o sussurar do vento à me acalmar
Colher frutas preferidas e da mesma árvore que nasça cartas de amor
Pra que eu leia debaixo de tua sombra
Sonhando, imaginando amar
Traduzir tudo isso em meu olhar, em minhas mãos à carinhar
Amar, amar e quando passar mais uma vez amar.

milene cristina

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Decidi decidir

 
Decido por roupas leves, palavras como breves brisas de verão.Decido por cabelos soltos, portas
abertas para as coisas belas que a vida tem pra mim.Decido pelo sim em momentos difíceis, por solares abraços e flores enfeitando meus espaços, distraindo, colorindo minha solidão.Decido não olhar pro passado com nostalgia e ingratidão, mais também não vou olhar pro futuro com pensamentos de lindas paisagens, mais tão e somente uma ilusão. Decido pelo agora, e tudo que há lá fora, me pedindo pra sair, fluir minha vida e dos que me incluem em suas histórias, jogo tudo o que me impede de decidir, me afasto do que insisto em não me despedir, se preciso for entrego meu amor mais profundo, pois fizeste eu perder meu mundo, mais desembaçou meus olhos pra me olhar e decidir por me amar.

Milene Cristina

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Esperança


(...) a esperança não me deixou, sinto ela pulsando em meu peito, fraquinha é certo, mais ainda está
em mim.Também não posso deixá-la, sempre fiel, me chamando à atenção, me dizendo acalme seu coração, não esmoreça, deixe de lado o não. Olhe pra mim, nunca me canso, e no balanço seu, me mantenho firme, te levo comigo, sou abrigo de portas abertas, liberdade amorosa. Sou prosa, verso..palavra.Sou espera alegre, posso ser passagem breve, mesmo assim permaneço, não, não me envaideço, apenas reconheço sou esperança.

Milene Cristina

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

A rosa e o que ela me traz

 
Enquanto coloco a rosa em seu vaso, 
desfaço meus laços amarrados por você
Chego  compreender, o quanto sou confusa,
vivendo em busca de mim. Não te dou espaço,
 é eu sou assim.
Totalmente entregue ao destino,
mais sempre o questionando.
Tropeçando em meus passos,
recebendo abraços recém chegados,
me afastando de quem sempre esteve comigo.
Me sinto tola em muitas vezes absurdamente meu lado certo.
Refino palavras ditas sem pensar, fico , faço um acordo com a insensatez
Aceito mais uma vez dar chance ao meu incorrigível jeito de amar.

Milene Cristina