quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Tic Tac

 
Olhando o relógio admiro o tempo
O ponteiro de minuto em minuto
Tic tac coração apressado, vida passando
Horários exatos e o que faço com eles?
Demore mais um pouco, e os segundos feito loucos disparam
Vários sorrisos acontecem, encontros breves, o sol à se pôr
Se olho pra hora, não vejo ao redor
E como é lindo o tempo
Sem perceber o que é já foi
Vem chegando, vai partindo
Se faz descobrir, em estrelas aos poucos surgindo no céu das oito
Acrescentando, retirando, das pessoas e seus tempos corridos,
Alguns melancólicos, outros praticamente contados no cronômetro
Pra que tudo caiba, mesmo querendo ficar, ou passar no espelho e se olhar
Tempo espere! Sei que não ouves pois não podes parar.

Milene Cristina

sábado, 26 de janeiro de 2013

Colorindo o construir

Colorindo sonhos
Construindo palavras
Amargas lembranças, também me ajudam no querer
Reviver momentos nas fotos antigas
Já nem mais amigas as que abracei
Me peguei num instante de calmaria
Dentro de mim uma catedral
Calma e antiga, silenciosos momentos
Na imensidão de meus pensamentos
Fui pra longe, onde o que é bom se esconde
Para não se encontrar com o mal
Nas ladeiras do sofrer, encontrei a rua do viver
Cadenciei meus quereres
Persisti em mim
Continuei meu caminho
Continuei a sonhar
Continuei a amar.

Milene Cristina

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Devaneios II

 
Posso ir à lua com os pés descalços
E descer pulando entre as estrelas,
 me enchendo de docinhos até enjoar
Paixão é assim, não se vê começo ou fim
É apenas um estado, onde temos o mundo à nosso favor
E o pensamento? Ah como voa
Enquanto meu olhos estão com os seus
Coração entregue
E acordar do sonho?
Vou deixando pra depois.

(Milene Cristina)

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Brisa


E pensar que a brisa que senti
num segundo já não é mais a mesma.
Talvez façam rodízio de carinho
Nesse fluxo constante do tempo
Calam meus desassossegos
Gritam à minha calma.

(Milene Cristina)

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Um pouco

 
Estrelas tão longe e tão perto. E não seria certo não sonhar com elas. Valem as esperas.
Meu olhar está triste, mas com tanto brilho assim como não sorrir? Como não dizer sim?
Quando o mundo parece enorme e vazio de sentimentos. Agradeço por tê-las
Como agradeço o sol tão lindo e generoso, que mesmo em dia nublado está ali
E como esquecer das flores, que colorem e perfumam e chamam as borboletas. Recebendo seus beijos o dia inteiro. Estou me exercitando a olhar pra fora. Exercício bom, é primo do sonhar
Posso ir devagar. Posso correr. Mas não posso parar.

(Milene Cristina)

domingo, 13 de janeiro de 2013

Um novo colorido


 
Casas coloridas.Corações em cinza
Visito meu ser
Faxinar.
Novos tapetes e cortinas nas lembranças
Limpo bem os azulejos, enquanto ainda me vejo
Tiro toda a poeira de mágoas e saudades,
Que são apenas acúmulos dispensáveis
Amáveis flores coloco no espaço
que reservei
Porta aberta, arejando,luzindo
Secando o chão e as lágrimas
Quadros na perede.
Palavras novas em minha boca
Hoje trabalhei
Mereço descanço..Deixei que o encanto me ajudasse
Vou dormir com tudo limpo
Incluindo meu coração.

(Milene Cristina)

sábado, 12 de janeiro de 2013

Fragmentos

 
Olhar pro céu, e procurar nesse olhar fragmentos...Lembranças
Ir juntando tudo recolhendo o que faz bem
Faço isso também ao pintar, entre as cores me encontro
Entre os traços ..Vários pontos de partida
E ao escrever me completo, coloco nas palavras tudo que há em mim,
E assim vão chegando outras, com novos sentidos.
Lados opostos e exatamente iguais do que sou
Sou cores,palavras e amor.

(Milene Cristina)

domingo, 6 de janeiro de 2013

Escolho à mim


Saudade constante, em um instante penso que me esqueci
Digo não pra mim..
Digo sim pra me acalmar
Digo não novamente
Sigo me enganando, pra vê se acredito no que hoje é real
Que apenas posso sentir saudade
Enquanto ainda é saudade boa
Enquanto as lágrimas são de lembranças talvez tão bonitas
Que a vontade seria repetí-las
Enquanto ainda te quero lembrar
Enquanto ainda sei seu número
Enquanto tenho seus olhos nos meus
E enquanto tudo isso, escolho palavras pra não mentir
Escolho momentos pra esquecer
Escolho à mim e à não mais te ver.

(Milene Cristina)