sábado, 23 de março de 2013

Prima egoísta

Sou filha do romantismo. Traços feitos de sonhos, de abandono em palavras. Tipo sanguíneo amoroso, quero sempre a calma de entendimentos. O desenrolar do destino em final feliz. Aprecio a espera sustentada por olhares sinceros, sem juras, sem cura, pois, não se foi ferida. A liberdade de dizer o que sente, sem invenções ( a convenção dos mentirosos). Às vezes saio com a paixão, prima egoísta; escolhe suas vítimas com sorriso doce, chegar discreto. De um dia pro outro invadiu todo o espaço. Dominando até a fome, normalmente à tirando do escolhido. Tirando sono, ao mesmo tempo que agrada com senhas de sorrisos no meio do dia e suspiros de saudade. Não se é mais seu, ela pega-o pra ti. Desmontando tudo, fazendo parecer amor. Mas não tem porto, vai sem avisar. Sem cartas, nem despedidas. Leva com ela promessas, o gosto do beijo, o abraço que pensava ser seu, o dia com a intensidade de um ano. É ótima em desempenhar seu papel. Então volto com ressaca de sua companhia.


Milene Cristina

2 comentários:

  1. A paixão é um fruto degustado as pressas.

    Lindo texto!

    um beijo.

    ResponderExcluir
  2. A paixão é um fruto degustado as pressas
    Colhida com mãos ávidas em viver
    Das árvores de sombras quentes
    De dias crescentes para o fim.

    Obrigada, Fernanda!!Beijo.

    ResponderExcluir