quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Pega na minha mão


Quero à mim
Quero o que um dia fui, ou o melhor que posso ser.
Não há sim absoluto sem interrogações e incertezas;
O difícil é se jogar num desconhecido, ou conhecido demais
E então fico protelando o que talvez seja minha felicidade
Acho que tenho medo de ser feliz, de não saber lidar com sonhos dando certo,
sem lágrimas de tristeza, ou dúvida do seu amor
Me ensina..Eu quero.Pega na minha mão, diz pra eu não ter medo
Que eu enfrente essa sinceridade toda, que é só sua;
Essa vontade sua de sermos nós, de viver de verdade uma história de amor.

Milene Cristina

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Palavras e suas pessoas

As palavras me salvam
Me fazem enxergar, construir, ir e voltar
Repensar.
Não deixo entrar palavras rudes ou sem cor
Aquelas que só nos levam, como a despedida de alguém que se ama em um trem à todo vapor. 
Palavras e seus significados confusos;
Depende de quem fala..depende de quem ouve;
Pode-se dizer amor.E não ver amor naquele que diz amar
E ver e sentir um amor, vindo de onde nem precisou falar
O silêncio..Palavra que fala muito..Muitas vezes chega doer
E aquelas ditas em tão grande fluxo que nada chegam dizer
Acho que não mais falo de palavras;
Falo de pessoas e seus emaranhados de palavras sentidas
E sentimentos que se calam.
 
Milene Cristina

sábado, 3 de novembro de 2012

Do que me livra


E não são só as dores do mundo
São as do meu mundo..Meu querer
O esquecer de mim.Dizer não quando se quer o sim
Dizer sim e não mais querer
Como pesa minhas palavras contidas pelo medo
O desconhecido que me assusta
E nessa insuportável angústia, tento lembrar do que ainda
me trás algo..Do que me livra e me faz livre.
Sem passos forçados..Sem sonhos roubados.

Milene Cristina